Estilos de aprendizaje de salud: un marco multidisciplinario para ser explotado

Letice Dalla L., Jucelaine Arend B., Katiuscia de Fátima Schiemer V.

Resumen


La importancia de entender el aprendizaje temático estimuló la investigación, cuyo objetivo fue estudiar el proceso de aprendizaje individual desarrollado en el entorno de la organización. Por lo tanto, el propósito de este artículo es el de asignar los estilos de aprendizaje de un problema de salud del Programa de Residencia Multidisciplinaria de una institución pública multidisciplinaria de la educación superior en la región central de Rio Grande do Sul. Para ello, se desarrolló una estrategia de investigación cuantitativa descriptiva utilizando como caso de estudio. Como instrumento de recolección de datos utilizó los estilos de aprendizaje. En cuanto a los resultados, se encontraron entre la salud multidisciplinario todo tipo de estilos definidos en divergente, asimilación, convergente y acomodaticio. Sin embargo, el estilo de aprendizaje predominante divergente, la caracterización de las habilidades estilo resultantes para cubrir situaciones desde diferentes puntos de vista y organizar muchas relaciones en un todo significativo. Con el índice más bajo se situó estilo de aprendizaje convergente, que se caracteriza por la persona que dice listo para enfrentar las adversidades del medio ambiente, con el fin de los eventos anteriores

Palabras clave


Aprendizaje, Educación superior, Salud

Texto completo:

PDF

Referencias


REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

Le Boterf G. Desenvolvendo as competências dos profissionais. Porto Alegre: Artmed, 2003.

Kolb DA. Experiential learning: experience as the source of learning and development. New Jersey: Prentice-Hall, 1984.

Pawlowsky P. The treatment of organizational learning in management Science. In: Dierkes M, Antal AB, Child J, Nonaka I. (Eds). Handbook of organizational learning and knowledge. Oxford: Oxford University Press. 2001. Pág:61-88.

D’Amelio M. Gerentes de diferentes formações e suas trajetórias de aprendizagem. Porto Alegre: Bookman, 2011.

Probst GJB, Büchel BST. Learning organization: the competitive advantage of the future. London: Pretence Hall, 1997

Kolb DA. Gestão e o processo de aprendizagem. São Paulo: Futura, 1997.

Davies SM, Rutledge CM, Davies TC. The impact of student learning styles on interviewing skills and academic performance. Teaching and Learning in Medicine 1997; 9(2): 131-135.

Fleury A, Fleury MT. Estratégias empresariais e formação de competências. São Paulo: Atlas, 2000.

Swieringa J, Wierdsma A. La organización que aprende. Delaware: Addison-Wesley, 1995.

Feuerwerker LCM, Cecílio LCO. O hospital e a formação em saúde: desafios atuais. Ciência e Saúde Coletiva 2007; 12(4): 965-971.

Diniz DD. A Interação no ensino a distância sob a ótica dos estilos de aprendizagem. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, 2007.

Antonello CS, Godoy AS. Aprendizagem organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, 2011.

Kolb David A. Management and the learning process. California Management Review 1976; 38(3): 21-31.

Fernandes CB. (Org.). Aprendizagem organizacional como um processo para alavancar o conhecimento nas organizações. In: Organizações do Conhecimento: infraestrutura, pessoas e tecnologia. 2ª Ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

Kim DH. The link between individual and organizational learning. Sloan Management Review 1993; 35: 37-50.

Borges-Andrade J, Abbad G. Aprendizagem humana em organizações de trabalho. In: Zanelli JC, Borges-Andrade JE, Bastos AVB. (Orgs). Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 237-75.

Bido DS, Godoy AS, Ferreira JF, Kenski JM, Scartezini, VN. Examinando a relação entre aprendizagem individual, grupal e organizacional em uma instituição financeira. Revista Eletrônica de Administração 2011; 17(1): 58-85.

Cardoso SMV, Jandl Jr P. Estilos de aprendizagem: aprendendo a aprender. Direito – UFS 1998; 5(2): 35 - 145, 1998.

Felder RM, Silverman LK. Learning and teaching styles in engineering education. Eng. Education 1988; 78(7): 674-681.

Kuri NP. Tipos de personalidade e estilos de aprendizagem: proposições para o ensino de engenharia. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção), Universidade Federal de São Carlos, 2004.

Grisi CCH, Britto RT. Estilos de aprendizagem e o aprendizado em comerciais de TV: um estudo exploratório com o método de Kolb. FACEF Pesquisa 2004; 7(1): 30-38.

Jacobsohn LV. O potencial de Utilização do E-learning no desenvolvimento de competências do administrador: considerando o estilo de aprendizagem do aluno de graduação. Tese (Doutorado em Administração), Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, FEA/USP. São Paulo: USP, 2003.

Hair Jr, Josefh F. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Sampieri RH, Collado CF, Lucio PB. Metodologia da pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.

Richardson RJ. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3ª Ed. São Paulo: Atlas, 2011.

Godoy A. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas – ERA 1995; 35(2): 57-63.

Amaratunga D, Baldry D, Sarshar M, Newton R. Quantitative and qualitative research in the built environment: application of ‘mixed’ research approach. Work Study 2002; 51(1):17-31.

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4ª Ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Eisenhardt K. Building theories from case study research. Academy of Management Research. v. 14, n. 4, p. 532-50, 1989.

Salomão CS. Mulheres empreendedoras em pequenas empresas: análise dos estilos de aprendizagem e dos estilos de liderança. Dissertação (Mestrado em Engenha Produção), Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

Zanella L. Aprendizagem: uma introdução. In: La Rosa J, (Org.). Psicologia e Educação. 9ª Ed. Porto Alegre: Edipucrs, 2006. p. 23-36.

Bido DS, Godoy AS, Ferreira JF, Kenski JM, Scartezini VN. Examinando a relação entre aprendizagem individual, grupal e organizacional em uma instituição financeira. Revista Eletrônica de Administração 2011; 17(1): 58-85

Belnoski AM, Dziedzic M. O Ciclo de aprendizagem na prática da sala de aula. Athena - Revista Científica de Educação 2007; 8(8): 43-53.

Ruas RL. Mestrado modalidade profissional: em busca da identidade. Revista de Administração de Empresas – ERA 2003; 43(2): 55-63.

Feuerwerker LCM, Merhy EE. Como temos armado e efetivado nossos estudos, que fundamentalmente investigam políticas e práticas sociais de gestão e de saúde? In: Mattos RA, Baptista TWF. Caminhos para Análise das Políticas de Saúde, p. 290-305, 2011. [Acesso em: 02 de abril de 2012]. Disponível em: .

Piaget J. Psicologia e pedagogia. São Paulo: EPU, 1980.

Henriques RLM. Interlocução entre ensino e serviço: possibilidades de ressignificação do trabalho em equipe na perspectiva da construção social da demanda. In: Pinheiro R, Mattos RA. (orgs). Construção Social da Demanda. Rio de Janeiro: IMS-UERJ/CEPESC/ABRASCO; 2005.

Feuerwerker LCM, Lima VV. Formação de ativadores de processos de mudança – uma estratégia do Aprender SUS. Olho Mágico 2004; 11(4):15-18.

Franco TB, Merhy EE. Programa de saúde da família (PSF): Contradições de um programa destinado à mudança do modelo tecnoassistencial In: Merhy EE, Magalhães HMJ, Rimoli J, Franco TB, Bueno WS. O Trabalho em Saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. 3ª Ed., p. 53-124. São Paulo: Hucitec; 2006




DOI: http://dx.doi.org/10.18270/rce.v8i8.548

Enlaces de Referencia

  • Por el momento, no existen enlaces de referencia


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

____________________________________________________________________________

Rev. Colomb. Enferm. • ISSN: 1909-1621 (Impresa) • ISSN: 2346-2000 (En línea)

Scilit logo